_

Photobucket

Esse é o seu espaço para discutir e opinar sobre temas da paleontologia. Sinta-se livre para comentar.


segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Deinocheirus, uma verdade inconveniente

Nova concepção do Deinocheirus
© Michael Skrepnick

Não, não iremos falar do aquecimento global. Na verdade essa "verdade inconveniente" trata-se de mais uma incrível descoberta, mais um mistério solucionado. Podemos dizer que 2014 está sendo um ano excelente para a paleontologia, e também muito BIZARRO! Ninguém esperava um Espinossauro "semi-jacaré", como nos foi mostrado há algumas semanas. E agora, mais uma vez os achados nos surpreenderam, e nos revelaram outro animal bem esquisito. Até então tudo o que tínhamos eram dois longos braços com garras enormes, o que levou os cientistas a pensarem que fosse um enorme carnívoro, ou outro ser temível... Fachada!

Braços de Deinocheirus, únicos achados que se tinham até então.
© Eduard Solà

O Deinocheirus foi descrito inicialmente em 1965, e seu nome significa "mãos terríveis com aparência peculiar". Não tinha ao certo como saber se ele realmente pertencia aos Ornitomimossauros, pois os únicos indícios que se tinham eram os enormes braços - característicos desse grupo. No entanto os membros mediam cerca de 2,4 m, o que era muito para os espécimes encontrados até então. Ficou a dúvida. Que ser é este, afinal? No final de outubro novos estudos foram realizados, logo após encontrarem um esqueleto completo na Mongólia, e o animal foi reavaliado, tendo sua nova descrição publicada em um artigo na revista "Nature".

Reconstrução do Deinocheirus mirificus
© Yuong-Nam Lee (KIGAM)

Com quase 5 metros de altura, 11 metros de comprimento, e pesando cerca de 7 toneladas, o Deinocheirus é o maior membro conhecido do grupo dos Ornitomimossauros. Possuía quadris largos, além de uma estrutura parecida com uma corcunda em suas costas. A criatura ficava de pé sobre as patas traseiras, e sua estrutura óssea mostra que ele se movimentava lentamente; seus longos braços tinham garras afiadas e a cauda era coberta de penas. E isso não é tudo. Para completar, a sua cabeça era pontuda e ele tinha uma espécie de bico com nenhum dente, e uma língua enorme que criava um mecanismo de sucção para aspirar a comida no fundo dos pântanos e lagos. É mole?! De acordo com os cientistas, ele habitava pântanos e seu bico deveria ajudá-lo na busca por alimentos no fundo da água, enquanto ossos achatados sob suas garras impedia que afundasse no lodo. Restos de peixes foram encontrados no que parece ter sido o estômago do bicho, assim como outras características associadas ao consumo de plantas, indicando que ele era, provavelmente, onívoro.

Veja no vídeo abaixo como o Deinocheirus caminhava
© UniversityOfAlberta/YouTube

Juntando todas essas peças nós temos um animal que os próprios autores taxam assim: "O Deinocheirus tornou-se um dos dinossauros mais esquisitos descobertos, além da nossa imaginação", disse o autor do estudo Yuong-Nam Lee. Outro participante da pesquisa falou que a evolução nem sempre é como nós esperamos. Mas com toda a sua esquisitisse, o Deinocheirus é, sem dúvida, um achado fascinante e que merece todos os olhares para nos mostrar o quanto a paleontologia, e o mundo mesozóico têm a nos oferecer.

Fontes:

Um comentário: